Quem somos

Nossa Origem

ORIGEM MINEIRA,
TRADIÇÃO DINAMARQUESA.

No início do século passado, imigrantes dinamarqueses chegaram ao sul de Minas trazendo técnicas singulares para a produção de queijos especiais.

Os ensinamentos e o pioneirismo dos imigrantes estão enraizados na cultura da São Vicente, que é referência em inovação e qualidade na produção de queijos especiais, oferecendo uma linha diversificada, uma qualidade primorosa e um sabor inconfundível.

NOSSA HISTÓRIA

Com a expertise adquirida ao longo de três gerações, o grupo familiar que administra a São Vicente é referência na produção de queijos especiais, sendo os únicos descendentes de dinamarqueses que ainda continuam no negócio.

Essa tradição, aliada às condições favoráveis da região, como topografia, clima, altitude, além da fácil adaptação do gado para a produção de leite, proporcionou a criação de um polo pioneiro para a produção deste tipo de queijo na região.

Os dinamarqueses chegaram ao Brasil entre as décadas de 1910 e 1930. As técnicas trazidas da Europa, aliadas à vocação queijeira do povo mineiro, foram fundamentais para o início da produção de queijos especiais. Eles introduziram os queijos Gorgonzola, Prato, Camembert e Brie no Brasil.  

ONDE TUDO COMEÇOU

Em 1910 o dinamarquês Thorvald Nielsen, que vivia no Rio de Janeiro, foi atraído pelo leite de qualidade da região do Sul de minas, matéria prima fundamental para a produção dos lácteo, e logo encantou-se pelos campos e montanhas. Voltou à Dinamarca com a ideia de retornar ao Brasil e iniciar a produção queijos naquela região de MG.

Por volta de 1920, Nielsen voltou ao Brasil para ficar. Obstinado com a ideia de produzir o queijo, ele decidiu abrir seu próprio laticínio. Se é difícil entender a vinda de uma família de dinamarqueses a um pequeno vilarejo, sem luz ou água encanada, a história fica mais apaixonante, quando Nielsen começa a trazer mais e mais conhecidos da Europa para trabalhar consigo.

Em 1936, Paul Bartholdy, nosso precursor, assumiu a fábrica por onde todos os dinamarqueses já haviam passado. Lá começou a produzir seu próprio queijo, onde fez o primeiro queijo Gouda de origem holandesa e também o queijo Estepe. ​ ​ Na região do Sul de Minas, as pequenas cidades sentiram a força da chegada dos laticínios. No início, eram os pequenos laticínios que empregavam a maior parte dos trabalhadores. Em decorrência de todas estas mudanças, a população local começou a viver em função das fábricas.

ASSIM NASCEU A SÃO VICENTE

Na década de 1970, o polo dinamarquês chamou a atenção de grandes empresas multinacionais que começaram, pouco a pouco, a comprar os laticínios da região. No final da década de 1980, Javert Gribel, genro de Paul Bartholdy, resolveu voltar ao negócio.

Com experiência e tradição de três gerações na produção de derivados do leite, em 1994 nasceu a São Vicente, única empresa gerida por descendentes de dinamarqueses que ainda desenvolve a arte de produzir queijos especiais no Brasil.  

Responsabilidade Sócio-ambiental

Nossas fábricas estão preparadas para garantir a separação de plásticos, vidros, papéis e produtos orgânicos, que através de coleta especializada não geram impactos ambientais para a natureza.

Mais limpeza do ambiente fabril

Menor índice de manutenção técnica

Menor impacto de gases expelidos para a atmosfera durante o funcionamento

Menor índice de acidentes de trabalho

Por meio da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), recolhemos todos os líquidos oriundos do processo
de fabricação, garantindo o tratamento adequado aos resíduos fabris.

Nossas ETEs trabalham com 96% de eficiência. E estamos trabalhando para melhorar esse índice.