gruyère

O queijo Gruyère tem origem suíça e seu nome foi inspirado na cidade de Gruyères. É um queijo com coloração amarela, casca dura e seca. Em sua textura, os buracos – conhecidos como olhaduras – são semelhantes ao do queijo Emental.  Ainda comparando com o Emental, o Gruyère tem um sabor mais forte. Sua textura é densa, o que proporciona um derretimento cremoso ao gratinar.

O queijo Gruyère é bem versátil, podendo ser servido puro, em lanches ou na preparação de pratos. É este o principal ingrediente para fazer o fondue.

gruyere_forma gruyere_skin_pack

Deve ser servido em temperatura ambiente. Seu corte deverá ser feito na hora do consumo, para não mudar o sabor e aroma, além de evitar que forme uma casca.

Para servir, corte o Gruyère em cunhas (triângulos), a partir do centro.

 

Vinhos tintos suaves, brancos secos como Suavignon Blanc ou espumante.

Pães frescos e frutas secas, como uva passa, damasco, ameixa e figo.

Manter na geladeira com temperatura entre 3° a 8°C. Após aberto, envolvê-lo em papel filme e consumir em até 5 dias.

Porção de 30g (1 fatia)

Valor energético 123kcal=510kJ (6%VD)
Carboidratos 0 (0%VD)
Proteínas 8,9g (12%VD)
Gorduras totais 9,7g (18%VD)
Gorduras saturadas 5,7g (26%VD)
Gorduras trans 0 (-)
Fibra alimentar 0 (0%VD)
Sódio 101mg (4%VD)

 

(*) % Valores diários com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8400 kJ. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas. **VD não estabelecido. Ingredientes: Leite tratado termicamente, fermento lático, cloreto de sódio, cloreto de cálcio e coalho. NÃO CONTÉM GLÚTEN. Modo de conservação: Mantenha resfriado de 1°C a 10°C. Após aberto consumir em até 20 dias.

O leite para a fabricação dos queijos amarelos é estocado em tanques termicamente preparados. Após a pasteurização e ajuste de temperatura, já no tanque de fabricação, os ingredientes básicos são adicionados. O tratamento da massa para os queijos amarelos consiste em dessorar os grãos de coalhada e promover a retirada de grande parte da lactose desses grãos (retirada de soro e substituição por água quente). Com isso, se consegue uma massa brilhante e elástica. A agitação e o cozimento da massa são feitas em tanques automáticos. A massa é agitada por liras tipo facas com movimentos circulares e uniformes e o cozimento é feito através da adição, sistema tipo chuveirinho, de água a 80º C. A enformagem é manual, através de corte dos blocos de massa e colocação nas formas plásticas providas de panos dessoradores. A prensagem é feita por cilindros de ar comprimido que aplicam uma determinada pressão sobre uma coluna de formas de queijos. Através de salmouras e à temperatura de 10ºC, por um tempo pré-determinado, acontece a salga. A armazenagem é feita através da aplicação de resinas próprias. Os queijos são acondicionados em caixas de papelão e mantidos em câmaras frias, geralmente a 5º C, até o momento da expedição, quando o queijo está pronto para comercialização e consumo.